Primeiro Ano do Presidente Lula

O primeiro ano do terceiro mandato de Luiz Inácio Lula da Silva como presidente da República foi marcado pelos ataques do dia 8 de janeiro; a recriação programas sociais, a exemplo do Bolsa Família, Mais Médicos e Minha Casa, Minha Vida; o predomínio de mudanças administrativas, como a recriação de ministérios e criação de novas pastas; a crise humanitária dos povos indígenas Yanomami; viagens internacionais; aproximação com o centrão e vitórias no Congresso Nacional, como a aprovação da Reforma Tributária.

Para além de uma agenda com muitos compromissos e viagens no ano de 2023, o presidente buscou uma maior aproximação com os eleitores com o formato da live “Conversa com o Presidente”, programa semanal transmitido no “Canal Gov” e no canal oficial de Lula no Youtube, em que o presidente é entrevistado pelo jornalista Marcos Uchoa e expõe balanços do governo e possíveis ações a serem desenvolvidas.

Entretanto, Lula enfrentou dificuldades de engajamento de seus eleitores no mundo virtual e as lives apresentaram baixas audiências ao longo do ano, fazendo com que seja repensado o modelo para 2024.

Para visualizar e compreender a atuação do presidente Lula no ano de 2023, o cenário em questão, mapeou os compromissos e reuniões do Presidente da República, com foco na interlocução com as entidades privadas.

No levantamento da agenda Lula, foi considerado os compromissos divulgados na  agenda de autoridades do presidente, publicados no site do planalto, entre 01/01/2023 e 31/12/2023.

Monitoramento Agenda Presidencial

No gráfico a seguir, é possível observar o número de interações do governo ao longo do ano de 2023. Durante o período, Lula teve 1441 interações. 

No gráfico, é possível observar que os três primeiros meses do governo foram os principais meses de reuniões, com janeiro em primeiro, seguido de março e fevereiro. Ainda, o mês de outubro foi o mês com menor número de interações, devido cirurgias que o presidente realizou no quadril e nos olhos, que o impossibilitou de trabalhar durante alguns dias.

Dentre as 1441 interações no período, 95% correspondem a reuniões com setor público e apenas 5% com setor privado. O mês com mais interação com setor privado foi em abril, seguido de janeiro e junho. 

É possível ainda, observar a predominância de reuniões com setor público, reforçando o foco do presidente de utilizar o primeiro ano de governo para viagens internacionais e estabelecer uma maior aproximação com os ministros, buscando fortalecer e organizar a base ministerial.

É possível observar no gráfico ao lado, a classificação dos atores que estiveram reunidos com presidente Lula no período de 2023. Como demonstrado anteriormente, os principais atores que se reuniram com o presidente foram do setor público, por exemplo, 46% dos atores são autoridades que compõe o governo federal, como ministros, secretários e outros cargos do executivo.

No gráfico é possível observar também a grande quantidade de interações com Governos Internacionais, seja em reuniões, telefonemas, viagens, almoços ou eventos com presidentes, primeiros-ministros ou ministros de estado de outros países. Nesse período, os principais atores internacionais reunidos foram autoridades do Governo da Alemanha e do Governo da Argentina.

As cerimônias e reuniões com parlamentares também aparecem em destaque na classificação. O volume de cerimônias apresentadas é referente aos diversos eventos de assinatura de decretos ou lançamento de programas do governo durante o ano.

Ainda, as interações com setores privados remetem a Associações, sindicatos ou Federações, mídia, empresas estrangeiras e empresas nacionais. As empresas estrangeiras e nacionais correspondem juntas, apenas 2% do total de interações, mídia correspondem a 2% e Associações, sindicatos ou Federações somente 1%.

No gráfico abaixo, é possível observar a análise de órgãos/entidades reunidos com Lula no período. Analisando os 09 que mais aparecem na agenda do presidente, 08 são com ministérios, ou seja, ministros ou secretários do governo federal. Apenas a Petrobras, que é uma sociedade de economia mista, aparece entre os principais.

No levantamento dos principais governos internacionais que o Lula se reuniu, o Governo da Alemanha e da Argentina esteve presente como destaques, seguido do Governo de Portugal, Espanha e Reino Unido.

Na análise dos parlamentares reunidos é possível observar uma grande interação do presidente com os parlamentares do Partido dos Trabalhadores (PT), principalmente com os parlamentares líderes do governo no Congresso Nacional, seguido dos presidentes das casas.

Viagens Internacionais

No contexto das viagens, o presidente completou o primeiro ano de mandato com a marca de 26 viagens internacionais, com 24 países visitados, com uma média de 2 países por mês, totalizando 75 dias fora do Brasil em 2023.

Lula buscou retomar a tradição da política externa de diálogo com diferentes países e organismos, a fim de recolocar o Brasil nas principais discussões do cenário internacional. Ainda, o presidente se reuniu com diversos presidentes por telefonemas.

Ao longo do ano, Lula visitou em:

Janeiro: Argentina e Uruguai;

Fevereiro: Estados Unidos;

Abril:  China, Emirados Árabes, Portugal, Espanha;

Maio: Reino Unido, Japão (G-7);

Junho: Itália, Vaticano (Cidade-Estado) e França.

Julho: Argentina, Colômbia, Bélgica e Cabo Verde;

Agosto: Paraguai, África do Sul, Angola e São Tomé e Príncipe;

Setembro: índia, Cuba e Estados Unidos;

Novembro: Arábia Saudita, Catar;

Dezembro: Alemanha.

O presidente ultrapassou o número de visitas internacionais realizadas durante seu primeiro mandato em 2003, quando assumiu o cargo pela primeira vez e visitou 13 países. No entanto, é importante notar que, durante o primeiro ano de seu segundo mandato, em 2007, Lula superou essa marca, ampliando suas relações diplomáticas ao visitar um total de 29 países em um ano.

O giro ao redor do mundo supera as viagens dentro do Brasil. O presidente esteve em 17 estados, além do Distrito Federal, em 2023. Em geral, elas duraram apenas algumas horas nos estados e, em sua maioria, foram realizadas para o lançamento de programas do governo.

Perspectivas para 2024

Para 2024, conforme anunciado pelo ministro da Casa Civil, Rui Costa, a meta é executar mais ações e planejar menos, estratégia traçada para melhorar a aprovação do governo e dar mais força a Lula.

Após uma agenda internacional intensa em 2023, com 24 países visitados, Lula quer dedicar mais tempo aos roteiros internos, com idas a todos os estados do país.

Para 2024, o presidente Lula ficará focado em:

  • Aprovar no Congresso a regulamentação da reforma tributária;
  • Administrar a relação com o Centrão;
  • Lançar e inaugurar obras do PAC nos estados;
  • Aproveitar a presidência do G20 para ampliar o peso do Brasil nas negociações internacionais;
  • Reduzir o desmatamento no ano anterior à COP 30;
  • Tentar impulsionar seus candidatos nas eleições municipais com idas a todos os estados do país durante o ano;
  • Melhorar a aprovação do governo.

Ainda, segundo o ministro Rui Costa, o governo trabalha em um cronograma de lançamentos e inaugurações de rodovias, escolas, moradias, unidades de saúde e outras obras que constam no PAC, com a intenção de ter eventos nas 27 unidades da federação no primeiro semestre, antes do período eleitoral.

Com um cenário de polarização no país, Lula acredita que as eleições municipais repetirão algumas tendências das eleições federais e estaduais. Dessa forma, o desempenho positivo dos candidatos apoiados pelo petista desempenhará um papel fundamental na estratégia para as próximas eleições presidenciais em 2026.

Para saber mais, acesse a íntegra do cenário:

https://drive.google.com/file/d/1_WNlaIpBuS1P7nVVvt2p5eDN8GGXfiYZ/view?usp=sharing

Compartilhar:

Publicações relacionadas

Ir para o conteúdo